Archive for the ‘ Brasil ’ Category

Vamos que vamos, Brasil!

Que beleeeeeeeeezaaaaaaaaa!!!!!

Daqui a pouco, você, eu, e todos os brasileiros teremos pago exatos 1 trilhão de reais de impostos ao governo. O valor, registrado pelo Impostômetro, em São Paulo, representa o total de impostos federais, estaduais e municipais arrecadados em 2011. A marca será atingida 35 dias antes de 2010, quando o mesmo valor foi alcançado em 18 de outubro.

Todo ano, o prazo para atingir a marca de R$ 1 trilhão cai: em 2008, foi em 14 de dezembro; em 2009, em 8 de dezembro; em 2010, 18 de outubro; e este ano, em 13 de setembro.

Até o fim do ano, segundo os cálculos do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), você, eu, e todos os brasileiros deveremos pagar R$ 1,4 trilhão em tributos.

Quando compramos uma cerveja,  pagamos 55,60% de impostos. Trocando em miúdos. Se você compra uma cerveja no supermercado por R$ 2,60, significa que na verdade ela custou R$ 1,15, incluindo neste custo o valor do produto, o transporte da fábrica até o supermercado e o lucro do supermercado. E o nosso governo fica com extatos R$ 1,45.

Você chega cansado do trabalho e abre uma cervejinha gelada. Toda vez que fizer isso, imagine o seguinte: o governo entra na sua casa, puxa uma cadeira, pega um copo e toma mais da metade da cerveja que você comprou. Bobear, ainda deixa a “baba” pra você. É exatamente isso o que acontece. Você poderia pagar R$ 1,15 pela garrafa, mas paga R$ 2,60, porque você tem que pagar a parte do seu “convidado”. Dá pra ser feliz?

Há muitos anos alguns projetos estão adormecidos nas gavetas do Congresso tentando obrigar o governo tornar público o quanto custa um produto e quanto o consumidor paga de imposto por ele, como acontece na maioria dos países civilizados. Só que moramos no Brasil, né? Tudo por baixo do pano, tudo na moita. Sabe quando isso vai acontecer aqui?

Quem pode mais chora menos.

Saúde pra você. Saúde pra todos nós. E vamos que vamos, Brasil.

 

O 11 de setembro, sob outro ponto de vista.

O Estadão de 04 de setembro, domingo, trouxe um caderno especial sobre 11.09.2001, “A Marca do Terror no Início do Século”. Muitos desenhos esclarecedores, um horário equivocado, linha do tempo bastante explicativa. Mas, em suma, nenhuma informação nova, retumbante.

Mário afirma que todo mundo está se adiantando com medo de levar algum furo. Afinal, dia 11 é hoje e já faz uma semana que o caderno saiu. Jornalistas se pautam pela necessidade de serem sempre os primeiros. E, assim, o material publicado antecipadamente não corre riscos.

Que considerações poderiam ser feitas a respeito? Seria muita pretensão minha dizer que ninguém ainda refletiu, considerou o que vou colocar a seguir. Depois da imensa quantidade de material produzido sobre os fatos, é possível que várias pessoas tenham tido a mesma ótica, visto sob o mesmo ponto de vista. Se assim aconteceu, o meu texto vale como um desabafo. E acrescenta argumentos.

Certamente a voz que fala mais alto dentro de mim é a voz da educadora. Para não ser exagerada, afirmo que 90% dos problemas do nosso país e de outros se resolveriam se houvesse nesses lugares uma política educacional séria. Vamos lá: alguém acredita que se os terroristas fizessem parte de uma sociedade em que se valoriza a educação plural, abrangente, laica, acreditariam que suas ações suicidas seriam recompensadas por Alá com 72 virgens?

A esse propósito, Jorge Pontual, da Rede Globo, disse que se irrita toda vez que ouve alguém dizer que os terroristas eram religiosos fanáticos. Diz que os fatos não tiveram qualquer ligação com a religião islâmica. Que todos os líderes sérios dessa religião se manifestaram contrários aos acontecimentos. Seriam os jovens islâmicos tão facilmente manipuláveis se tivessem acesso a leituras variadas, multiculturais? Se suas escolas fossem focadas em uma educação inclusiva, voltada a convivências agregadoras não acreditariam “na noção de certo e errado baseada fundamentalmente na opinião pessoal dos líderes de suas comunidades”, como afirma acontecer a Dra. Rona Fields, psicóloga americana, estudiosa da mente de terroristas há mais de 30 anos.

O que faltou na vida dessas pessoas foi educação de qualidade e a abertura e visão de mundo que essa educação proporciona.

Nossa sorte é que brasileiros são, por índole, pacíficos e pouco ou nada dados a arroubos ideológicos. Pelo menos hoje em dia. Se não, com a Educação que temos, correríamos o risco de criar fanáticos de todo o tipo.

Vera Schwarz

Chega de fazer biquinho: vem aí a Brahma Copaço.

Adiós, biquinho.

A Ambev guardou o segredo a sete chaves e lança amanhã, às nove da noite, uma grande campanha publicitária nas emissoras de TV mostrando a novidade: é a Brahma Copaço. Por meio de um sistema de abertura total na tampa da embalagem, a lata vira um copo. Ou quase.

Meno male, não? Com toda certeza a cerveja de lata nunca será tão boa quanto a de garrafa. Mas só de pensar que a gente não vai ter mais que fazer biquinho pra beber cerveja em situações de emergência, que a Brahma Copaço seja muito ben-vinda.

Tá barato pra caramba!

Estación Sur: valeu a pena

Se você planeja ir a São Paulo em setembro, procure programar sua viagem até dia 16. Não, não tem nada a ver com previsões astrológicas, exotéricas ou dica de numerologia. Tem a ver com seu paladar e seu bolso. Começou dia 4 e vai até sábado da outra semana a nona edição do São Paulo Restaurant Week. 242 restaurantes, entre eles alguns top de linha, esperam receber 600 mil clientes atraídos por cardápios pré-estabelecidos, no almoço e jantar, e preços só vistos durante 15 dias no ano na maior cidade da América do Sul.

Funciona assim: nos próximos oito dias, os restaurantes que participam da promoção servem duas opções de entrada, pratos principais e sobremesas por R$ 31,90 no almoço e R$ 43,90 no jantar. Bebidas não estão incluídas no preço. Nem o couvert. Você só paga se consumir.

No ano passado fui conhecer uma churrascaria argentina com a família para ver se a promoção valia a pena mesmo. Fiz a reserva aqui de casa, por e-mail, e ao chegar ao Estación Sur, na Joaquim Eugênio de Lima, minha mesa estava lá, arrumadinha, esperando a gente. Entrada, prato principal (assado de tira, suculento, no ponto exato) e sobremesa. Exatamente conforme o prometido.

paellas por R$ 31,90.

O número de restaurantes aumenta cada ano na São Paulo Restaurant Week. Inclusive os estrelados, que no começo torciam o nariz para promoções. Bom para todos, porque com essa quantidade de casas pode-se comer, por um preço baixo (estamos falando de São Paulo) praticamente qualquer prato.

Receitas clássicas como as paellas, variados tipos de pratos preparados com bacalhau, carnes apreciadíssimas como os filés de cordeiro, tudo isso por R$ 31,90. Há inúmeros restaurantes especializados em cozinha dos mais diversos países.

risoto de beterraba

Você também pode aproveitar a oportunidade para experimentar os pratos da moda, claro. Aqueles que você vê a receita em algum lugar e se pergunta: será que vale a pena? Por esse preço até que vale arriscar, né? Vira e mexe aparecem novidades. Dei uma olhada nos cardápios de vários restaurantes e acho que descobri qual é a bola da vez: risoto de beterraba com lascas de parmesão. Não sei se é bom, mas que o prato é muito bonito, isso ninguém há de negar. Qualquer dia crio coragem e preparo esse risoto. Se ficar legal, passo a receita pra vocês.

Para ver a relação dos restaurantes que estão na São Paulo Restaurant Week e o cardápio que eles oferecem, é só clicar AQUI.

#ForçaRicardoGomes

Não conheço o Ricardo Gomes, técnico do Vasco que trabalhou no São Paulo no ano passado. Mas tenho uma ótima impressão dele. Tem jeito de ser ultra do bem. Pois hoje à tarde, durante o jogo do Vasco e Flamengo (0 a 0), ele se sentiu mal, foi atendido no ambolatório do Engenhão e removido para o Hospital Pasteur, no Rio.

As notícias que estão circulando no Twitter são muito preocupantes. Dizem que o estado do técnico é crítico, corre risco de morte e que o comprometimento da área afetada no cérebro por um AVE (Acidente Vascular Encefálico) é de 80%. Se sair dessa, as sequelas serão inevitáveis.

A tag  #ForçaRicardoGomes é a primeira das mais citadas entre os tuiteiros. Faço questão de me juntar a eles.

Atualizando: a cirurgia durou perto de três horas e, segundo médicos, foi bem sucedida. Nova avaliação será feita em 72 horas.

Daniel e Nando Croce terminam em nono na GT 3

 

 

Os pilotos jauenses da família Croce terminaram em 9º lugar a segunda prova da sexta etapa da GT Brasil, realizada hoje à tarde, em Interlagos. O resultado é o melhor entre dos três Vipers da equipe Blue Spirit, incluindo o carro do paranaense Wagner Ebrahim, dono da equipe. Com este resultado, Fernando ocupa a 16ª posição no campeonato, com 31 pontos, quatro a menos que Ernique Bernoldi, que já competiu na Fórmula-1. Daniel vem logo atrás de Nando, em 17º, com 24 pontos.

Para a prova de hoje, vencida por Valdeno Brito e Matheus Stumpf, líderes do campeonato, Nando Croce classificou-se em 11º lugar. Teve uma boa largada, mas aparentemente seu carro perdeu rendimento. Depois da troca obrigatória de pilotos, a confirmar, Daniel fez uma corrida de recuperação e terminou duas posições à frente da classificação no grid.

Na verdade, não consegui acompanhar a corrida pelo site que faz a cronometragem da corrida, que apresentou problemas. Mas prometo conversar com Nando esta semana para saber o que realmente aconteceu, porque a transmissão da Band pouco mostrou o carro dos jauenses. Aliás, como sempre, mostrou apenas os líderes da GT 3, os líderes da GT 4, e o apresentador Otávio Mesquita, que deve ser o dono da produtora que transmite as provas para a Band. Lamentavelmente.

 

 

 

 

 

Daniel e Nando Croce, amanhã, em Interlagos. E na TV.

Nando Croce larga na sexta fila, em 11º.

Os pilotos jauenses Daniel e Fernando Croce voltam a pilotar o Viper 61 a partir de 12h45, neste domingo, em Interlagos, na segunda prova da sexta etapa da GT 3. A corrida será transmitida ao vivo pela Band.

Na primeira prova do fim de semana, disputada neste sábado, a dupla jauense largou em 13º lugar e terminou a corrida em 11º. Quando parou no box para troca obrigatória de pilotos, Daniel era o décimo colocado, na 14ª volta. Só que o pit stop não foi dos melhores e na volta seguinte Nando Croce apareceu em 16º.

Com a parada dos adversários e uma ótima corrida de recuperação, Fernando ganhou quatro posições e permaneceu em 12º até a penúltima volta. Na última, ganhou mais uma posição.

Na prova de amanhã Fernando vai largar na sexta fila, em 11º. Vale sua torcida.